Tag: ‘Opinião’


Ambos os grupos da YG Ent têm demonstrado excelentes resultados além do iKON, juntos formando o poderoso trio da nova geração da empresa. Contudo, esse artigo trata de como fãs nacionais e internacionais levam o sucesso do então denominado “WINPINK” na brincadeira, comparando com situações semelhantes.

WINNER COMO GIRLGROUP

É de conhecimento quase geral que não são tantos os boygroups que se dão bem digitalmente enquanto vendem um volume grande de álbuns. Por outro lado, mais girlgroups tem possibilidade de emplacar um hit, principamente no verão, porém vendendo menos exemplares de álbuns físicos que boygroups. Contudo, WINNER sempre foi um grupo bem sucedido em ambos os aspectos, tendo chegado a lançar um grande hit esse ano com Everyday e tendo vendido mais de 100 mil cópias físicas do álbum EVERYD4Y.

Além disso, o grupo idol que atualmente consiste em quatro membros foi um dos mais pedidos e chamados para festivais universitários, ficando apenas de PSY e TWICE, artistas atualmente gigantescos, e Chungha logo após eles. Ao todo, WINNER foi para dez universidades esse ano que acompanharam suas músicas como se fosse uma tour do WINNER.

Como você sabe, convidar um grupo idol do sexo masculino é assumir um risco considerável (de falhar, ser culpado) mas o (sucesso do WINNER no) Festival da Universidade Dongkook do ano passado, afetou significativamente (nossa decisão). Até onde eu sei, o WINNER se tornou um dos artistas mais procurados para o Festival Universitário em 2018 – Fala de estudante que prestou serviços a uma das universidades, via: x

Além disso, recentemente, WINNER se tornou o primeiro boygroup a performar para militares. Sempre são pedidos girlgroups jovens para essas situações, mas o bg se mostrou capaz de quebrar vários tabus em que girlgroups se encaixariam mais comumente.

BLACKPINK COMO BOYGROUP

O girlgroup se mostrou cada vez mais potente, a cada comeback indo mais e mais longe e quebrando vários recordes. Além disso, as meninas são listadas ao lado de vários brougroups, sendo as únicas mulheres ocupando alguns top 5 e até mesmo top 10 ou 20. Confiram.

Top de músicas de kpop com maiores picos no iTunes US

Ranking da votação do Dabeme Music Awards de 2017

Top 5 de grupos que ganharam mais rápido em music shows

BLACKPINK, BIGBANG, iKON e BTS são os únicos grupos a alcançarem um perfect all kill em 2018.

Além disso, o girlgroup está próximo das 100 mil cópias físicas do seu recente mini álbum. Os outros únicos grupos dessa geração que alcançaram esse feito foram Twice, Red Velvet e G-Friend.

Que ambos os grupos, junto do iKON e do BIGBANG, continuem a escrever ma história tão poderosa, quebrando com preconceitos e quebrando cada dia mais recordes!

 



Nessa terça feira (22) alguns anti fãs do CLC, girlgroup da CUBE Ent, começaram a erguer tags relacionadas ao apoio do disband do grupo. A situação aconteceu pois, nesse mesmo dia, (G)I-dle, grupo irmão e hoobae do CLC teve sua first win com apenas 20 dias de debut. O problema não foi a vitória, e sim a situação em que Yeeun, membro do CLC se encontrou e a tag de extremo mal gosto. Vamos por partes, sim?

Crystal Clear não é e nunca foi um grupo em que a CUBE esbanjou investimento, e toda a aparição na televisão das meninas pode ser resumida em: Uma ida ao Weekly Idol em 2015, Yeeun como MC em 2018, Sorn no Happy Together em 2016, Seunghee no Girls Spirit em 2016 e dois doramas pequenos, com papeis pequenos, para Elkie e Yujin, separadamente. Isso tudo é o resumo de três longos anos de carreira.

Por essas e outras, os fãs assumem que CLC é um grupo experimental: após o disband do 4minute, o primeiro girlgroup e mais bem sucedido da CUBE, a empresa quis testar se o conceito do grupo ainda funcionaria em um novo projeto. Por isso, a promessa era de que CLC teria um debut que ficaria entre o conceito forte e de músicas chicletes do 4minute e algo mais sutil e colorido como o APink, na época da A Cube, filiada da CUBE. A grande questão é: Por mais que pareçam similares, os primeiros conceitos são bem distintos, e essa distinção aumentou ainda mais com Hobgoblin. O grupo colorido e considerado fofo mudou completamente imagem e logo.

Hobgoblin foi o conceito mais bem recebido pelo público internacional, fazendo CLC sair de por volta de 3 milhões de views para mais de 20 milhões. Ainda assim, a CUBE fez as garotas mudarem de conceito novamente. Burrice? Não é o caso. Isso praticamente comprova que CLC é um grupo experimental: estavam pondo a prova se a popularidade vinha dos fãs/membros ou do conceito. Ficou claro que o lançamento seguinte, Where Are You, não obteve nem metade ou próximo disso do sucesso de Hobgoblin (a burrice foi só lançar uma música lenta no verão né cube?)

Outra prova da teoria é a seguinte: Kwon Eunbin foi adicionada ao grupo após ir para o Produce 101 e ter alcançado uma popularidade mínima (você deve lembrar-se dela como a menina de tapa olho em Bang Bang). Contudo, Jeon Soyeon chegou a ficar no top 11 três vezes, sendo muito mais popular. A CUBE sequer esperou que a final acontecesse para terem certeza se Soyeon debutaria ou não no grupo final do programa: adicionaram Eunbin ao CLC junto de Elkie, uma trainee até então desconhecida pelo público, enquanto aproveitaram a fala de Seoyeon para um futuro debut solo e para ser líder do próximo grupo.

Eunbin

Foi como uma estratégia para o sucesso do (G)I-dle: pegaram sua trainee mais famosa e usaram o conceito mais bem recebido pelo público nacional e internacional. (O talento de ambos os grupos é inegável, não me entenda mal, claro que as meninas mereceram a win graças a Deus AMÉM GIDLE). CLC promoveu em buskings em Hongdae, cantando ao vivo desde o pre debut, mas nunca tiveram uma cobertura. Eram somente “as novas trainees da CUBE” vistas apenas por gravações no youtube, enquanto (G)I-dle teve um tratamento diferente ao realizar o mesmo feito.

Se você acredita nessa teoria ou não, comenta aqui. Precisamos saber sobre sua opinião!

SITUAÇÃO ATUAL DO GRUPO

  • Nenhum álbum do grupo vendeu mais que 8,000 cópias. Esse é um valor minúsculo, mesmo para um girlgroup (que numericamente vende menos álbuns e mais singles digitais).
  • O single mais bem sucedido foi o debut Pepe, tendo somente 34,690 downloads. Novamente, é um valor pequeno, pois girlgroups tendem a viralizar suas canções com muito mais facilidade. (Não são somente os grandes fandoms que consomem suas músicas em massa, mas sim a Coreia inteira). Uma canção com um sucesso médio teria, no mínimo, 200,000 downloads.
  • Yeeun e Seungyeon já disseram que não usam o VLive pra interagir com outros artistas da CUBE com medo dos managers brigarem com elas.
  • Em lives do CLC no VLive, os fãs fazem perguntas sobre Hyuna, BTOB e Pentagon, deixando as membros constrangidas.
  • A CUBE culpa as membros quando elas não são bem sucedidas.
  • Sorn e Elkie recebem (ainda) menos que as outras membros por serem, respectivamente, tailandesa e honkonguesa. Isso acontece devido a problemas políticos entre Coreia e os paises natais das membros. Sorn foi a primeira a única idol a reclamar em público sobre isso.
  • Mesmo recebendo pouco, somente o suficiente para cobrir custos do comeback e pagar as membros, CLC fez um concerto de caridade no aniversário de 3 anos do grupo.
  • Sorn e Seunghee são constantemente chamadas de gordas e feias pelos coreanos.
  • CLC só tem três prêmios na carreira, todos eles pequenos. Elas nunca tiveram 1st win.
  • O comeback de verão do CLC foi cancelado e não está no calendário da CUBE devido ao recente sucesso do Pentagon e do (G)I-dle. A CUBE vai promover Triple H, Hyuna e BTOB também, mas aparentemente não haverão mais comebacks para o CLC em 2018, mesmo com Black Dress sendo o álbum mais vendido e com o single tendo sido bem recebido e chamado a atenção da mídia.

Voltando ao começo: imagine Yeeun, no seu primeiro dia como MC depois de 3 anos sem ser adequadamente promovida pela sua própria empresa, entregar a first win de suas hoobaes com apenas 20 dias de debut. Claro que a idol demonstrou orgulho e parabenizou as membros, afinal, são amigas próximas e treinou com algumas delas, mas é impossível não imaginar o desconforto da situação.

RAZÕES PARA SER STAN

  • Yeeun e Eunbin escrevem suas próprias letras/raps, o que é raro na indústria para girlgroups.
  • Seungyeon e Yujin sempre viralizam com o público internacional dançando músicas de outros idols. Os elogios são vários.
  • As letras das músicas não são fúteis.

Me deixe em paz, isso é perigoso
Não aja assim, você vai ter um problema
Meu cabelo é longo e reto e uso calças apertadas
Por causa disso pareço mais velha?
Não não não, não não
O que você está pensando.. Pare

(…)

Vá para longe, aquelas coisas não significam nada

Aonde você está me levando?
Eh oh eh oh não não
Não não não, não não
O que você está pensando? Não oh oh

Hey pare com isso
Ou eu vou contar para minha mãe – No Oh No, 2016

 

Garotos típicos, uivando como lobos
Bisbilhotando como se estivessem com fome
Estou perdendo o interesse, me desanimando
Eu nem estou mais ficando irritada
Depois de terminar com você, estou cantando
Até minha família e meu amigos cantam “Viva!”
Agora é adeus, baby
Te esquecer é tão fácil

Por que você me provoca, me balança?
Ooh ooh, o que fazer
Você é tão louco, sua atuação é incrível
Nunca mais me procure – Pepe, 2015

 

  • O grupo quase sempre faz suas performances ao vivo, com uma frequência bem maior que de outros grupos.
  • Elas são muito profissionais. Quando Seungyeon teve um problema com as roupas, ela continuou a performar mesmo assim. Eram muito curtas e reveladoras.

  • Elas tem álbuns físicos LINDOS.

Imagem relacionadaResultado de imagem para clc free'sm

Resultado de imagem para clc crystyle unboxing

  • Há várias canções em seus álbuns para o fandom, Cheshire.

E aí, o que achou da história toda? Ajudem o grupo dando views, assim a empresa percebe um crescimento de popularidade e pode trazê-las de volta ainda esse ano, além de terem ganhos a mais com o ad-sense!



Não é novidade que na cultura de fandoms, as fãs acabem gostando do relacionamento entre determinado artista com outra pessoa. Essa simpatia é normal, e eu até diria saudável, até que chegamos ao ponto crucial desse artigo: Quando deixa de ser saudável e passa a ser neurótica e maléfica. Precisamos primeiro entender o conceito de uma palavrinha chamada Fanservice.

Fanservice (n.): Interações entre os membros ou voltadas para os fãs com intuito de agradar a quem assiste e/ou mostrar carinho.

Em resumo, fanservice pode ser ou não algo planejado, e mesmo que seja, pode também ser feito também com vontade própria do artista, e não somente para agradar os fãs. Não entendeu? Se liga nos gifs abaixo:

Roçar o corpo no amiguinho, dar beijinhos, abraços do nada? Fanservice. Seja ele intencional ou não.

Fazer fofurinhas, expressões sensuais ou qualquer coisa do gênero? Fanservice, seja ele inato a personalidade do artista ou não.

Agora que entendemos isso aqui, vamos entender que o fanservice as vezes é feito simplesmente por fins de deixar as fãs atacadas. Faz parte do trabalho dos idols e artistas coreanos, e é enraizado também na cultura japonesa. Falo sobre isso pra que vocês, leitores, entendam que nem sempre aqueles dois coleguinhas estão bem um com o outro naquele momento, mas ainda assim eles vão esbanjar sorrisos, abraços e carinhos no palco/programa. O trabalho deles é entreter e mostrar uma imagem pacífica, quase familiar.

Isso não significa que eles não possam discutir ou que o trabalho deles seja errado. Só trago esses fatores para explicar que acontece. BTS mostra sempre uma imagem de que estão constantemente felizes e de bem com a vida uns com os outros, mas com o lançamento do Burn The Stage pudemos perceber que não é assim que funciona. Eles brigam, ficam sem se falar, choram, e depois de tudo precisam dar as mãos na frente das fãs e fazer peppero game pra deixar as fujoshis atacadas (generalizando, não me mantendo no BTS em si).

A questão aqui não é afirmar heteroafetividade ou homoafetividade entre os artistas. Mas sim dizer que ninguém além deles mesmos tem o poder de, com todas as forças, dizer que o membro x namora com o fulano de tal. Confesso que comecei esse artigo, especificamente, por um fandom em questão. Stray Kids debutou somente nesse ano, mas já existe uma quantidade absurda de shippers com os olhos fechados pra realidade, fazendo postagens genéricas pra comunidade-shipper-radical.

Tá bom então.

Deixo as palavras da fanbase com vocês:

(Abram o tweet caso não apareça tudo)

Preciso mesmo lembrar vocês que Louis Tomlinson, membro do One Direction, afirmou com todas as letrinhas que por o shipparem tão compulsivamente com Harry Styles, outro membro do grupo, eles se afastaram. Preciso lembrar que é literalmente isso que acontece com várias amizades no kpop, incluindo Mingyu e Wonwoo do SEVENTEEN, que eram como carne e unha no pre debut e agora tem bem menos interações devido as shippers coreanas insensatas?

Louis confirmou para o The Sun que os rumores deixaram as coisas difíceis para ele e Harry, que sentiu que eles precisavam deixar as especulações das fãs de lado — principalmente por Louis estar namorando sério Eleanor.

“Eu sou tão protetor com coisas assim, sobre as pessoas que eu amo. Então foi criada essa atmosfera entre nós dois onde todos observavam tudo que nós faziamos. Acaba com toda a vibe que você tem com alguém.” Louis disse. “Deixou tudo um pouco mais inacessível. Eu acho que isso mostra que nunca houve nada ‘real’, se posso usar essa palavra.”

Não vamos esquecer de quando o ARMY começou a fazer teorias sobre casamento entre membros, e nem vamos falar sobre como existe ódio dentro do próprio fandom, criando até mesmo uma rivalidade entre os membros V e Jimin, pois cada lado das bonitas shippam o membro Jeongguk com um dos dois. É uma constatação idiota, se me permitem a palavra, afinal, V já derramou lágrimas ao falar sobre como Jimin era seu melhor amigo. Vamos considerar também que Jeongguk já viajou com ambos os membros, e faz atividades iguaizinhas com os outros 4.

Vmin sendo bolinhos por fins didáticos.

Por fim, quero deixar claro que a NPOMV abomina qualquer tipo de discussão entre fandom por ship. Você é fã pelo trabalho do artista, e não por quem ele namora ou deixa de namorar (… provavelmente). Esqueça esse comportamento nada saudável, e entenda que o fulaninho que você jura que casou e tem seis filhos com o ciclaninho pode muito bem ser assexual, como Minsung, ex membro do Topp Dogg. O dito cujo sempre foi o rei do fanservice, mas simplesmente não sente atração sexual por ninguém, zero, nadinha.

Em um tom mais ácido, se me permitem: aceita que ele pode ser o que for. Pode namorar uma, duas, ser cafajeste, pode já ter traído uma pessoa com outra do mesmo grupo (coisa que Lee Jeon já afirmava que acontecia desde 2013, e que os membros ficam super o.k com isso e só partem pra beijar outra boca). Aceita que ele, ou ela, pode fingir ter um determinado comportamento homoafetivo e até incentivar esses rumores, como Heechul do Super Junior, simplesmente para não levantar suspeitar sobre suas namoradas/namorados.

Por fim, sejam felizes. Shippem, dialogue sobre, façam teorias, mas não façam disso algo psicótico e prejudicial pra você e pro artista.



Você muito provavelmente deve ter aberto esse post achando que ele se tratava de uma lista de idols que tem um vocal f*da e que tem aquele alcance incrível que parece até que é mentira. Mas não (na verdade, sim, mas ao mesmo tempo não), esse artigo não é sobre isso. Ficou confuso né? Calma, senta ai que eu vou explicar.

Quando se trata de vocal, as pessoas tendem muito a se focar nas notas que aquele ou aquela vocalista é capaz de alcançar. Se o artista consegue fazer uma voz grave e depois um agudo? Nossa! Esse daí é talentoso, não é mesmo? Bom, muito provavelmente sim, mas não devemos nos resumir a isso.

Extensão vocal é algo com o qual uma pessoa nasce, são as notas naturais e isso não depende da qualidade imposta na emissão dessas notas. São os tons que a voz de alguém consegue produzir, e estão relacionados com as vibrações de nossas cordas vocais. Nesse caso, não é, necessariamente, um dom, mas pode sim ser considerado como um. Vale lembrar que é apenas a forma como seu corpo se desenvolveu, a forma como suas cordas vocais funcionam, o jeitinho que você nasceu.

Por outro lado, temos uma perspectiva diferente sobre talento. Muitas pessoas podem ter uma ampla extensão vocal, mas quando se trata da tessitura o assunto muda de figura. Tessitura nada mais é do que a forma com que as notas são emitidas sem esforço, ou seja, abrange uma quantidade menor de notas para qualquer artista. Um cantor pode muito bem treinar para que sua emissão seja mais concreta e limpa.

Exemplo de emissão de nota feita com dificuldade, mas que pode ser aperfeiçoada:

Exemplo de emissão de nota feita com bem menos esforço:

Claro, não há problema algum em ter um desempenho ruim em determinada emissão de notas, até porque esse alcance pode ser usado em outras situações que não envolvam canto e pode até sequer ser usado por um cidadão comum. Em outras palavras, talento é algo que podemos desenvolver melhor, que pode ser reforçado, treinado, aprimorado, de forma que a pessoa saiba a forma correta de reproduzir aquilo que tem como objetivo.

Agora que já entendemos a parte mais conceitual e complicada desse post (que nem a gente entende direito), vamos ao objetivo principal: A forma como as pessoas julgam alguém como bom vocalista ou não. Já que essa é uma página voltada ao Kpop, nós vamos falar mais especificamente para o mundo da música pop coreana e seus fãs.

O quão comum é, para vocês, ver alguém elogiando um vocalista e mencionando seu alcance? Quantas vezes já viu uma fanwar em que alguém diz que um vocal X de tal grupo é melhor que o vocal Y de outro grupo porque ele alcança mais notas? Se você vai discutir talento com alguém (o que você não deveria fazer porque é desnecessário e só cria intriga e traz uma imagem ruim pro seu fandom), esse não é exatamente um bom caminho. Lembre-se, o gosto pessoal de alguém não lhe cabe meter o dedo.

Vamos fazer uso de um exemplo aqui. No grupo Seventeen, nós temos três units: Vocal Team, Performance Team e Hip-Hop Team. Focando na Vocal Team por razões óbvias você vai notar que o líder dessa unit é o Woozi. Agora eu te pergunto: Ele é o vocalista principal do grupo? Não. É o que tem o maior alcance vocal? Também não. — Estes postos são dos membros Dokyeom (DK) e Seungkwan, que também fazem parte de tal unit.

Quem está por aí e não é Carat pode estar se perguntando qual seria então a razão deste ser pequeno ser o líder da unit vocal, e a resposta é na verdade bem simples: Ele é o membro que tem a melhor técnica vocal. Isso quer dizer que, de todos os vocalistas, Woozi é o que tem uma maior habilidade e mais estabilidade em sua voz quando canta, e por essa razão ele é o mais indicado para líder da Vocal Team. Além disso, é eficiente trabalhando com música e por ter habilidade em produzir canções, também tem um senso de ritmo melhor que dos outros membros.

Você pode perceber, inclusive, que existem bastante grupos que não tem como vocalista principal aquele que tem o maior alcance ou a técnica mais “polida”, como por exemplo: KARA, GOT7, T-ARA, BTS, etc. Entendam: Isso não é uma crítica aos vocalistas principais, mas sim um exemplo de como as notas agudas são mais valorizadas do que uma emissão de qualidade.

O que estou tentando dizer aqui é: Um bom vocal não é determinado pelas notas que ele consegue alcançar, da mesma forma que um artista bom não é aquele que é ambidestro e sabe usar as duas mãos para pintar (dom com o qual ele nasce), mas sim aquele que aperfeiçoou a sua pintura com o tempo. Analogias de lado, é aquele que alcança as notas que o seu limite lhe proporciona com um bom desempenho e que busca evoluir constantemente. A metáfora foi meio esquisita, mas espero que tenha ajudado a entender o que estou querendo dizer 😅.

Por fim, não precisamos parar de elogiar e apreciar o alcance vocal de ninguém, mas sim compreender que não é só isso que faz um bom vocalista, e sim: técnica, estabilidade, treino e a paixão pelo que faz — até porque se for pra fazer de má vontade, então nem faz — e isso nós temos de sobra no mundo do Kpop.

Para finalizar eu vou deixar vocês com um exemplo de uma performance vocal incrível que não precisou de um alcance vocal extenso e que não foi feita pela vocalista principal do grupo, mas ainda assim foi excelente:



Talvez muitos de nós não saibamos a resposta para a pergunta que ronda a mente de todo e qualquer fã: Por que escrevemos ou lemos fanfics? Caso não saiba, fic, ou fanfic, é uma abreviação para fan fiction. Traduzindo, é uma história fictícia criada por fãs de determinado artista ou ídolo em geral, e nessa categoria entram também desenhos animados e personagens de quadrinhos, de outros livros e afins. Você com certeza já viu uma autora divulgando seus trabalhos, e, provavelmente, se questionou qual a razão desse universo ser tão consumido, não encontrando muitas respostas.

Pra começo de conversa, é bom a compreensão de que as histórias são uma fuga.  Segundo Sigmund Freud, pai da psicanálise, o homem vivencia certos tipos de projeções, que são assim denominadas por servirem como alívio para sentimentos de culpa ou raiva. Explicando em outras palavras, todos os sentimentos negativos e naturais da psiquê humana são combustível para parte da nossa energia criativa, por isso, histórias e desenhos sempre carregam parte de nossa personalidade. Em resumo, escrever é saudável, e você pode muito bem compreender isso lendo o livro E a Louca Tinha Razão de Linda Schierse Leonard, filosofa e analista Junguiana que traz um ponto de vista em relação ao tópico voltado para a mulher.

Com isso em mente, é muito fácil compreender a razão pela qual mulheres são as maiores consumidoras de histórias fictícias. Qualquer indivíduo que sofre com determinado tipo de repressão pode sublimar suas energias negativas em um universo alternativo, que por vezes acaba sendo em fanfics, livros e similares.  Justamente por tal opressão, é mais fácil criar um universo em que as coisas funcionam como o autor quer, se opondo a repressão sofrida no cotidiano ou explicitando sentimentos abafados de uma maneira menos literal. É também mais comum que nos apeguemos à um enredo que, de alguma forma, seria visto com maus olhos por um ou outro, como homoafetividade (que obviamente não é problema nenhum), consumo de drogas, agressão e psicopatologias.

É preciso relembrar que ter um ídolo não é considerado doença mental e faz parte da construção de qualquer ser humano, sendo um exemplo de inveja saudável, afinal, nossos primeiros ídolos são nossos pais ou cuidadores. Com o tempo, uma mente saudável passa pelo denominado “luto” dos pais da infância e logo começamos (e precisamos!) buscar outros exemplos. Almejamos ser como as pessoas que admiramos e elas irão servir para construir parte do da personalidade e das ambições de cada um. Lembrando que a personalidade é constituída pelo caráter e temperamento (ambiente e biologia).

Por ser uma atividade tão natural e saudável, ser fã e o exercício da imaginação com aqueles que nos são ícones em alguma área (profissional, social e outras), é nada mais do que a nossa capacidade criativa sendo desenvolvida. Não sabemos como os artistas ou influenciadores são, e, na verdade, nunca se escreve sobre a personalidade em si, e sim representações imaginárias que não condizem com a realidade. Novamente, é algo pessoal, usando a imagem de algo conhecido e admirável para alcançar um objetivo. Compartilhar desse hobby com amigos é também uma atividade construtiva e desenvolve a sociabilidade e alivia tensão.

Por que é tão comum que se almeje que sua história tenha um bom feedback? É o seu inconsciente trabalhando. Inconsciente é mais um conceito de Freud, que é uma parte da nossa mente onde estão armazenados os conteúdos desagradáveis. Já segundo Carl Jung, pai da Psicologia Analítica, seu inconsciente pessoal é o responsável por sentimentos, ideias e desejos reprimidos durante sua vida.  Em resumo: Você expôs suas vontades mais internas, mesmo que com um reflexo mínimo sobre o quão pessoal a história é. Nada mais justo que sentir-se aceito e compreendido ao ter reconhecimento a partir de sua história.

A Nunca Pause o MV não se posiciona contra ou a favor de tais práticas. Esse artigo tem a finalidade única de explicar as razões, segundo a psicologia, para a escrita ou leitura de história fictícias com os ídolos adquiridos durante a vida. Comente sua opinião! Você lê, escreve, ou tem um ponto de vista distinto?

 

PS: Esse artigo foi escrito e revisado por estudantes de psicologia do 3º e 7º período, feito com o linguajar menos técnico para aumentar a facilidade de compreensão! Estamos completamente abertos a correções e indagações.



Talvez você tenha vindo aqui esperando que esse artigo fosse sobre como o conceito fofo também sexualiza as meninas e chama a atenção de pervertidos e toda a história que todo mundo conhece bem, basta ter um cérebro e você saberia disso. Mas, não, esse não é o tópico desse artigo.

Para início de papo, Loona é um girlgroup com doze membros e cada uma teve/terá um lançamento solo antes do debut oficial. Dentro do grupo, existem units, e a Odd Eye Circle, composta por Kim Lip, Jinsoul e Choerry chamou atenção. Os solos das meninas possuem mais de 1,7 milhões de views cada, e em compensação, o conceito mais diferente, “puro” e simples do grupo, de Hyunjin, mesmo tendo sido lançado em 2016, tem apenas 600 mil views (um pouco a mais devido à mutirões para subir as views). Até Yves e Chuu, as membros mais novas, ultrapassaram as visualizações dos dois MVs da integrante.

Kim Lip – Eclipse

Chegamos então no tópico principal: Por que então o conceito fofo ou puro se torna tão repulsivo, ao ponto da rejeição ou de ficar para trás pelo público internacional?

Acontece que, hoje, para um público muito grande, ser feminina é um sinal de fraqueza. O que é aprovado são girlgroups com roupas modernas, cortes de cabelo curtos com cores vibrantes e movimentos duros e sensuais. O grande problema é que, vemos uma quantidade absurda de boygroups stans que simpatizam somente com grupos como BLACKPINK, 2NE1, Sistar, AOA, e outros grupos que ousam da forma citada anteriormente, e o motivo é simplesmente que o som e o estilo se assemelha mais ao produto que sempre foi exibido pelos homens na indústria.

É nada mais do que um passo imenso para as mulheres que elas possam se vestir, dançar e cantar conceitos mais poderosos, mas, por que o apoio internacional é focado somente para um tipo de poder? Muitos dos comentários que se repetem são sobre como as integrantes se sentem desconfortáveis agindo fofas, mas, convenhamos, Jisoo do BLACKPINK teve sua calcinha a mostra devido a roupas curtas demais em um MV, Stellar gravaram mvs com tanguinhas e Yeseul do 4ladies saiu do grupo pois se sentia desconfortável com  conceito explicitamente sensual (que foi igualmente louvado e criticado). Com certeza, nenhuma delas estava se sentindo bem o bastante, independente do conceito.

Vamos lembrar também que até mesmo membros de grupos consagrados no sexy concept se sentiam cansadas de tanta repetição. Dasom do SISTAR reclamou que o grupo nunca mudava de conceito, tentando o sexy oriental, sexy fofo, sexy verão, e vários outros tipos de sensualidade que faziam com que expusessem seus corpos. Aqui temos a afirmativa principal: Uma mulher só deveria dançar e cantar o que quisesse, não importa o conceito. A exploração do corpo feminino acontece em ambas as situações, e claro, não podemos esquecer que em Whatta Man do I.O.I, Catch Me do WJSN e em Meow Meow do CLC as coreografias eram sensuais demais para grupos com integrantes menores de idade, e ainda assim, em grupos com membros com menos de 18 anos (ou 20, o que seria o ideal para a maioridade coreana), os fãs internacionais imploram por conceitos mais quentes.

Somi no I.O.I, quando tinha apenas 15/16 anos.

Tzuyu do TWICE em comercial com apenas 16/17 anos.

CLC mudou de conceito e alcançou um novo recorde em álbuns, contudo esse recorde foi de apenas mil cópias a mais, além do single Hobgoblin ainda ter ficado para trás se comparado ao debut. No comeback seguinte, Where Are You, CLC demorou dias para alcançar 1 milhão de views, tendo hoje 2 ou 3 milhões (somando dois canais) em comparação com Hobgoblin que ao somar os dois canais oficiais + dance version tem mais de 31 milhões (22, sem o dance ver.) Sabemos que views são boas pelos anúncios e para a promoção do kpop internacionalmente, além de contar pontos de streaming, contudo, de que adianta explodir em visualizações com um conceito para serem abandonadas em outro?

E então chegamos no tema respeito. Sabemos que não é fácil pra absolutamente ninguém sobreviver na indústria do Kpop, mas quando um girlgroup debuta com conceito fofo, é por que elas precisam de uma resposta rápida, e ela só acontece agradando o público coreano. Sem o apoio coreano ou internacional, como é o caso de grupos como Matilda, que debutou mais cute e transitou para um girl crush poderoso, os grupos não tem chance alguma no mercado. Se é assim tão complicado, qual a razão de menosprezar o trabalho e treino de anos de mulheres e garotas que já são exploradas e abusadas por suas empresas?

Ninguém pede pra que você compre os álbuns de todo gg ou bg mal sucedido, longe disso. Mas apoio não é somente ver o MV uma vez e fingir que é fã no twitter pra no próximo lançamento esquecer tudo por um grupo mais popular. Apoio é ajudar com tags, seguir nas redes sociais, bater coraçãozinho no vlive, postar vídeos do grupo no twitter/facebook que viralizariam, encher o saco postando curiosidade e panfletando até pra sua vizinha fofoqueira.

É claro, todos podemos ter nossas preferências. Você pode gostar mais de tipo de conceito um conceito, tipo de coreografia, de um corte de cabelo diferente, etc. O foco aqui é não menosprezar algo só porque não é muito a sua praia. É difícil agradar a todo mundo,obvio, e variar é sempre bom. Feminilidade não é sinal de fraqueza, tanto para girlgroups ou boygroups, assim como masculinidade não é necessariamente apelação ou algo batido.

O fato é que, por mais que o conceito agrade mais homens coreanos que mulheres, não podemos deixar de notar uma quantidade imensa de fãs internacionais objetificando os corpos de k idols femininas quando elas usam roupas mais curtas ou sensuais. Isso acontece com várias artistas, incluindo menores de idade, que sequer são lembradas por suas músicas, mas apenas citadas em publicações de idols com seios fartos, bunda grande ou coxas fortes. Entre elas estão Arin do Oh My Girl, que debutou em 2015 com 16 anos aqui e 17 na Coréia, Tzuyu do Twice e Somi do I.O.I, já previamente citadas, Yeri do Red Velvet e muitas outras. (considere que, as três últimas são bastante reconhecidas, mas ainda assim foram sexualizadas enquanto menores)

Consideremos também que, quando Minsung (mais conhecido por Hansol, ex topp dogg) dançava coreografias femininas e aparecia por ai com batons, era aplaudido pelos fãs internacionais, o mesmo se aplica ao Ren do Nu’est, Heechul do Super Junior e outros. Você pode afirmar que esses são justamente os conceitos previamente apoiados por girlgroups, e se seguiu essa linha de raciocínio, está correto! Contudo, vemos uma certa diferença de tratamento aqui.

Para comprovar meu ponto, trago ao foco grupos como Astro, que abusavam do conceito fofo e puro na época do debut até o último lançamento, quando começaram a mudar um pouco sua imagem, e ainda assim recebiam um apoio imenso se comparado aos grupos femininos de mesmo conceito, apoio esse que só cresce.

O fato é que boygroups sempre se safam com mais facilidade a respeito de mudanças de conceito como essas. A explicação por trás disso sendo simplesmente porque eles são homens, o que leva as pessoas a engolirem com mais facilidade o que eles fazem. As empresas desses grupos contam com isso ao fazer alguma mudança em um membro ou conceito, enquanto ggs não tem essa base firme de apoio com o qual contar. É por essa razão que precisamos abrir os olhos para essa discriminação com qualquer conceito que não seja crush, power, ou sexy.

O conforto dos idols deveria sempre ser uma de nossas prioridades, até porque no mundo do kpop, o fanservice é algo notável e constante. Nossa retribuição ao menos deveria ser a flexibilidade quanto às mudanças pelos quais eles passam e o apoio a eles quando tentam algo novo ou arriscado.



Nessa semana foi lançado o jogo oficial do BTS chamado SUPERSTAR BTS. Assim como os jogos SuperStar SMTOWN e SuperStar JYPNATION, ele é um jogo que ao acertar as bolinhas vai tocando a música que você selecionou. Conforme os níveis de dificuldade, pode acabar ganhando mais ou menos pontos no final da música.

Já de início você precisa escolher um idioma para jogar, atualmente apenas possuí coreano e inglês. Também é necessário criar um nome de usuário, assim como colocar a sua nacionalidade. Algo que me chamou bastante a atenção é que as skins do jogo são os próprios membros do BTS, cada integrante tem uma caixa de diálogo e também no seu perfil vai ter o nome, foto e assinatura do integrante escolhido.

 

O jogo em si é bem fácil de entender, não tem nenhum tipo de barreira que impeça qualquer um de jogar isso, eu mesma que sou completamente descoordenada consigo jogar no modo “normal”. No final de cada música concluída, você ganha mais XP e também dependendo de seus pontos, pode ganhar até mesmo algum card especial do game.

Logo no início, você acaba ganhando do jogo 7 cartas de início, elas são como skins que te ajudam a conseguir ganhar mais pontos nas músicas.
Cada era tem suas próprias cartas, ou seja, você tem que indo conquistá-las conforme jogando.

Caso você ganhe uma carta que já tem, o jogo também te dá uma possibilidade de vender essa carta e conseguir algum bônus com isso, achei bem interessante.

Existem missões diárias que você pode fazer e tentar conseguir mais prêmios.

Uma coisa que achei um ponto bem negativo é que ele come a bateria do seu celular muito rápido, também acaba esquentando demais o aparelho. Estava com 50% de bateria quando comecei e menos de meia hora depois já estava com 15% tendo que colocar para carregar.
Uma pequena dificuldade que tive é que muitas das teclas durante a música elas vão fazendo um zigue zague, meus dedos são pequenininhos e é difícil de completar aquela tecla e ao mesmo tempo tocar com a outra mão, meu celular caiu várias vezes da minha mão por causa disso.

O jogo em si é bem legal, bonito e te prende muito, tem quase todas as músicas do BTS para você poder desbloquear e também categorias diferentes, funciona muito bem, pelo tempo que eu joguei não tive qualquer tipo de problema ^^/ Recomendo jogar caso você não tenha problemas com sua bateria ~

Nota: Eu não sou profissional em jogos, apenas dei a minha opinião como fã e uma pessoa comum jogando isso.



Quero começar falando que talvez você tenha aberto esse artigo com 5 pedras na mão pra dizer que grupo x foi mais influente ou qualquer coisa do tipo. Deixo claro que eu reconheço, muitos grupos tiveram uma visibilidade enorme e um sucesso avassalador. Contudo, uma junção de fatores fará você compreender o porquê de WINNER ter dominado o ano de 2017, e a primeira delas, é claro, é o sucesso estrondoso de ‘Really Really’. Deixo claro também que boa parte das coisas eu escavei no Inner Circle’s Da Depressão, meu xodó 💕

A canção foi a primeira lançada pelo grupo após a saída de Nam Taehyun, o antigo vocalista principal, que atualmente está ativo na banda South Club. WINNER não estava passando por uma boa situação e o público coreano afirmava que WINNER nunca superaria o sucesso de ‘Empty’, sua música de estréia que tem, hoje, mais de 1,5 milhões de downloads nas plataformas coreanas. Contudo, Really Really se mostrou um sucesso inegável. A música foi louvada recentemente por críticos influentes na Coréia, como o IZM:

REALLY REALLY” é uma música “mainstream” suave e sofisticada. A música contém o 2017 e a atual geração jovem. (…) É a jóia mais bem polida de todas as pedras preciosas de músicas que fizeram o cenário musical de 2017 brilhar (Trad: Inner Circle’s da Depressão)

Além de fazer o grupo levar 5 troféus para casa com os programas semanais, é também a música de boygroup com mais streams na Gaon, somatizando mais de 95,136,491 streams, na frente de grupos como BIGBANG. A marca de 1,5 milhões de downloads foi batida facilmente e está prestes a ultrapassar Empty, o debut do grupo. Really Really também é um dos 20 MVs com mais views no ano de 2017, somatizando 50 milhões de visualizações e também batendo o recorde de views anterior do grupo com o debut.

Em um artigo do OSEN, escrito por Sung Mi Kyung, Really Really foi citada como uma das músicas mais memoráveis do ano junto à Nayana do Produce 101, Red Flavor do Red Velvet, Signal do Twice e Ko Ko Bop do EXO.

É a música título do WINNER em seu primeiro comeback (após a saída de Taehyun), e ela recebeu muito amor com alto vício. Não apenas em transmissões musicais, mas esse é um Winner que têm sido amado e que ficou marcado nos charts. É digno de nota que é uma música que vale mais de 100 milhões de streams.

Really Really é também a música de um boygroup mais vendida os últimos tempos, tendo vendido mais esse ano que canções icônicas como Energetic do Wanna one e Spring Day do BTS, ambas aclamadas pelo público e pela crítica.

Ainda em 2017, o rapper principal do grupo, Mino, foi consagrado como um dos deuses dos programas de variedade coreanos, sendo o segundo colocado na lista do Famous Listing (cr: OnlyLookAtMino). Além de ter se tornado ainda mais popular, (o que é comprovado com o anuncio de sua presença como juiz em um dos episódios do Mix Nine), ficou conhecido como “Song Finger”. Durante um dos episódios do “New Jorney To The West”, Mino teve que girar 15 vezes e depois apontar para seu objetivo em um painel na parede. Dessa forma, o rapper conseguiu um dos maiores sonhos do Winner: Uma temporada no programa Youth Over Flowers.

Programa esse que foi um sucesso, sendo esperado pelos fãs chineses e coreanos e rendendo 3.4% na avaliação do primeiro episódio, o que é um valor muito bom em uma terça feira e se comparado à realitys como The Unit, que segue essa média de avaliação e o Mix Nine (também da YG, assim como o Winner, e também passando pela tvN) que tem uma variável de 0% à 1%. A China havia começado a ceder em relação à aparições de idols coreanos, e por isso o grupo saiu até no jornal!

Durante a exibição do programa, uma hashtag em apoio ficou nos trending topics da Coréia, além de várias palavras estarem nos assuntos mais comentados do Naver, como Youth Over Flowers, Song Mino, Kang Seungyoon, WINNER, Kim Jinwoo, Kang’s Kitchen, Wise Prison Life, Lee Seunghoon.

1. [+4430; -108] (O show)se saiu muito bem. Considerando o tempo e o dia (da transmissão), foi realmente excelente Parabéns Parabéns

6. [+1034; -17] Eles trabalharam muito duro até mesmo suas reações eram boas (durante a câmera escondida) Eles são muito positivos e entusiasmados como pessoas exatamente nos seus 20 anos em férias, desejam que não tenha terminado muito cedo, foi divertido kkk WINNER são crianças surpreendentemente bonitas

Winner está tão relevante na Coréia, que quando a line up do MMA (Melon Music Awards) foi anunciada, 78 dos 100 principais comentários eram sobre a presença do grupo na premiação.

https://www.facebook.com/inclesdadepressao/videos/320420511699041/

5 [+ 1576,- 197] WINNER em uma cerimônia de prêmios ㅠㅠㅠㅠㅠ

Mudando o foco para os dotes de Kang Seungyoon, o líder do grupo se tornou um tópico quente. Além de ser reconhecido como um bom líder, vocal e produtor, o idol agora fez sua estréia no mundo dos doramas e está sendo louvado pela sua atuação em “Prison Playbook”.

[+2351,-89] Kang Seungyoon se tornará um idol de atuação. Nunca pensei que ele seria tão bom, eu estou surpreso. Penso que a partir de agora ele receberá chamadas de elenco de vários locais.
[+1195,-60] Ele está trabalhando firmemente no canto e na atuação. Suba e voe alto bacharel da província de Gyeongsang, Seungyoon-ah- (* Busan é parte da 경상돠/província de Gyeongsang) (Artigos: 1 | 2 | 3)

Seungyoon e Seunghoon foram escalados como DJ’s especiais da rádio ‘Kiss The Radio’, comandada pelo Lee Hongki do FTIsland. O idol disse que se fosse preciso, enviaria todas as solicitações necessárias para a empresa para que os dois pudessem participar do programa. Eles foram ao ar dia 07 de dezembro.

Winner lançou também ‘Love Me Love Me’, single principal, e ‘Island’, que não tiveram tanto impacto quanto Really Really e ‘Fool’, mas ajudaram o grupo a garantir a estadia nos principais charts coreanos. Agora, enquanto eu escrevo esse artigo, 8 meses após o lançamento, RR continua firme no Melon (80), Bugs (85), Genie (76), Soribada (66) e Mnet (60). Durante a primeira transmissão do YOF, Island subiu 182 posições no Melon Rise Charts, chegando ao #1.

A revista Dazed listou as 20 melhores músicas de 2017 e Love Me Love Me faz parte da escolha, junto de canções incríveis como Gashina da Sunmi e Move do Taemin.

(…) e WINNER entrega isso (Love Me Love Me) de uma forma tão leve, discreta e genuína que você não consegue fazer nada além de se entregar  ao frenesi da novidade.

Voltando ao Mino, que talvez você conheça pela participação no Show Me The Money e pelos mega hits ‘Okey Dokey’ e principalmente ‘Fear’, o rapper viralizou esse ano o “Wolf Cut”, além de ter sido um dos principais exemplos de idols com o temido Mullet.

ELLESSE, uma marca de roupas esportivas, teve um aumento em suas vendar na Coreia depois que usaram WINNER como seus garotos propaganda para a linha Heritage. O gerente da filial do Ellesse do AK Plaza Suwon, disse:

Os bens que são de boa qualidade, preço razoável e design moderno estão se vendendo bem. Em particular, uma vez que temos a estrela idol WINNER como a musa, parece que chegamos a um ponto decisivo de forma a atrair extensivamente jovens clientes em seus 10-20 anos. (Cr: greenikkie, Trad: ICDD)

Mino foi chamado também para participar do Master Key ao lado de artistas como membros do Wanna One, Key do SHINee, Yerin do Gfriend, Wendy do Red Velvet, Hongbin do VIXX, Jung Sewoon e Eunkwang do BTOB. O artista foi novamente reconhecido pois Hyunwoo, membro do programa, foi mencionar todos os grupos presentes e ignorou o fato de que Mino era do Winner. O rapper tomou a frente e disse que Winner deveria ser mencionado também, mostrando seu amor ao grupo, e não apenas sua busca por popularidade solo.

Não vamos esquecer que Jinwoo brilhou ao ficar com a “killing part” de um dos principais lançamentos do ano, mostrando que os quatro membros receberam atenção nesse ano, embora o fandom Inner Circle espere que Seunghoon ganhe mais oportunidades pare demonstrar seu potencial com as variedades e consequentemente trazer bons frutos para o grupo. Ainda sobre Jinwoo, o hyung do grupo se tornou membro fixo do programa de viagens ‘Wizard of Nowhere’, surpreendentemente se tornando o Maknae e ganhando os corações das noonas.

Winner voltou ao Weekly idol após 3 anos além de participar de outros vários programas como ‘Animal Farm’. O grupo fez photoshoots para a InStyle, Vogue, High Cut, W Magazine, Céci e outros.

Haute, o cachorrinho do Seunghoon em ‘Animal Farm’

Idols que já fizeram cover de/cantaram Really Really:

Alguns dos vídeos virais do WINNER em 2017:

Nebula Ocean no iME KPOP FANTIVAL na Tailândia, que teve Halo, KNK, Kard e B1A4 além do WINNER (embora apenas b1a4 tenha lightstick oficial, é surpreendente quantas pessoas foram ver o winner)

A verdade é que o grupo tem conquistado um público que vai além do próprio fandom. A prova disso é que, por mais que seus álbuns não vendam tanto quanto gigantes das vendas físicas como BTS, EXO, Seventeen e afins, seus singles são estáveis e marcam os anos em que são lançados, não estando nas paradas musicais apenas pelo poder das Inner Circles. Não vamos esquecer que Empty foi um sucesso em 2014, além de Color Ring e Don’t Flirt terem marcado os lançamentos do grupo. 2015 foi o ano de Mino brilhar, lançando a canção mais popular de todas as temporadas do Show Me The Money, Fear. Em 2016 WINNER não teve um all kill pois sua própria canção o impediu de fazer esse feito (Sentimental e Baby Baby).

WINNER é um grupo que agrada qualquer um, com músicas espertas e composições originais.